Fotos do Miguel: para acordar!Miguel, cão do Mercado de Espinho, atropelado. Foi eutanasiado. Contém uma foto "post mortem"

12-06-2012 23:51

 

Muita gente de Espinho ficou indignada com a morte do Miguel.

 

Agora há uma conta...

- o Carlos Alberto doou 20 €; a senhora da Jovial outros 20 €; faltam 24,98 €.

- o hospital veterinário Santa Marinha, em Gaia, não cobrou consulta, internamento nem eutanásia! E fiseram tudo para salvá-lo!

 

Onde estão os amigos do Miguel?  que amigos tinha em Espinho??? 

ANTES                                                                                     DEPOIS

                                 

 

O Miguel teve a sorte de ter sido encaminhado apra um hospital onde teve o acompanhamento atento e cuidado de profissionais: morreu com dignidade e sem dor.

 

O Miguel era um daqueles cães-património da cidade.

Conhecemo-lo há anos.

Da sua história o que conmheço é isto: apareceu inicialmente na zona do Paleta, onde se juntou ao pretito pequenote. Mais tarde, juntou-se-lhes a Castanha (Beatriz), que depois de esterilizada e operada à hérnia, foi ali liberta.

Começaram a seguir um senhor que frequenta o café das Velhas Guardas e encontraram no seu quintal o poiso para as suas noites e domingos (dias em que não há mercado).

Todas as manhãs, lá iam eles até ao mercado e por ali ficavam. Eram inseparáveis.

No Mercado, toda a gente gosta deles (à exceção  ....).

 

O Miguel foi anteontem atropelado - um acidente edtúpido, uma vez que nem sequer se deu na rua...: estava deitado no passeio e um carro que saía da baragem albarroou-o.

Foi para o hospital de Gaia (Santa Marinha) e depois de desperto começaram as dores a ficar insuportáveis...

Obrigada.

A única opção possível: foi a eutanásia.

Precisamos de ajuda para pagar a conta, por isso, pedimos a colaboração de todos quantos gostavam do Miguel.Por favor, cooperem.

 

 

Três vezes uma onda alta, num arranco de fim, lambeu as garras do corvo, mas três vezes recuou…

       … nada podia contra aquela vontade inabalável de ser livre.

 

                                                                                                                                                          B I C H O S,  Miguel Torga